Encare as mudanças!

     Ao longo da história da humanidade muitos foram os pensadores que criticaram a falta de reflexão, a inércia, a acomodação ou alienação das pessoas frente a uma situação, um sistema político, econômico, social, religioso etc.

 

     Quero, contudo, refletir de maneira particular sobre a relação do EU com o TU e em como isso pode ser, também, alienante, isto é, ser carente de reflexão, causando uma inércia, uma acomodação e uma falta de posicionamento diante de uma ação, característica ou atitude da outra pessoa.

 

     As pessoas vivem reclamando sobre o quanto sofrem humilhações, falta de consideração, de respeito, entre tantas outras coisas. Você poderia argumentar comigo: “André, se as pessoas estão descontentes com a forma como estão sendo tratadas, então significa que não estão acomodadas. Ao contrário, estão conseguindo perceber e refletir sobre o tratamento que têm recebido”.

 

     Certo, você tem razão em seu argumento ao dizer que as pessoas estão conseguindo refletir na maneira como estão sendo tratadas. Elas têm consciência disso. Assim como, sentem-se descontentes por receberem tal tratamento. Mas, julgo que continuam acomodadas, inertes e incapazes de assumirem um posicionamento, justamente por permitirem que isso continue acontecendo. Reclamar do TU é apenas fazer uma constatação sobre uma determinada situação. E, por vezes, usar tal constatação para se fazer de vítima; usar tal argumento para mostrar aos outros o quanto se tem sofrido e como merece o dó das pessoas.

 

     Ora, está na hora de parar de ter esta postura alienada diante da própria vida! Está na hora de AGIR e não apenas constatar! Está na hora de parar com as reclamações e com o desejo de que o TU mude. Portanto, está na hora de perceber que a mudança deve ocorrer no próprio EU. É necessário ter novas atitudes diante das atitudes cometidas pelo TU. É necessário posicionar-se! É necessário desacomodar-se. É necessário sair da inércia que aceita sofrer as consequências das atitudes do TU e viver apenas reclamando e implorando para que ele mude.

 

     Quando o TU não muda, então é necessário perceber que o EU precisa mudar! Para que haja esta mudança no próprio EU, faz-se necessário olhar para a própria vida e para as próprias atitudes. Quanto menos se olha para a própria vida e para as próprias atitudes, mais se espera mudanças nos outros!

 

     Quais são as mudanças que você precisa empreender? O que não tem dado certo em sua vida? O que tem sofrido? Como você tem se posicionado diante das atitudes do outro? Tem sido uma pessoa acomodada? Dependente? Alienada? Aceita ser tratado de qualquer maneira por quê? O que faz você acreditar que, se você mudar, estará afastando a possibilidade de ser feliz? Acredita que se tomar uma atitude a outra pessoa vai lhe deixar? E se deixar? Acredita que nunca mais será feliz ao lado de ninguém? É por isso que aceita ser tratado desta forma? É por isso que fica inerte e vive esperando que a outra pessoa mude?

 

     Jamais deveríamos estar alienados diante de algo que não nos faz bem. É a nossa vida, é o nosso viver e nosso bem-estar. Se não fizermos, então quem fará? Pense nisso! Forte abraço: André Massolini


NEWSLETTER
RECEBA NOVIDADES PELO EMAIL.


Nome

Email

Fone